Como melhorar o seu discurso digital em 6 passos

Tutupom?

Essa na capa é a Blogueirinha, personagem do humorista Bruno Matos, que usa sua ironia para evidenciar os percalços dos Creators brasileiros.

No meio do humor, ele mostra que não podemos economizar na hora da construção do discurso digital da, para e com a marca; e a melhor forma de ter essa conversa é escutando o que a sua base tem a dizer, para manter o diálogo.

A Blogueirinha “não tem no Brasil”, mas tem no Instagram, canal do YouTube, Twitter e até programa de televisão. Fora isso, criou uma webserie paródia e participou do reality show da Diva Depressão. Isso tudo sabendo como manter e adaptar o discurso ao momento, plataforma e parte da audiência que irá receber.

Para se juntar a ela, você pode pegar a minha “bússola de 6 passos” emprestada para guiar a construção do seu conteúdo autêntico:

Com quem você fala

A sua audiência? Muito genérico.

Seu target? Dá pra ser menos genérico…

Persona? Siiim!

A Buyer Persona é aquela figura fictícia que criamos para representar o comprador médio. Ela tem nome, idade, gosto, desgostos, problemas, sonhos e tudo que podemos descobrir para descrever a média das pessoas que podem se interessar pelo nosso produto.

O que você fala

A marca falar deve refletir na sua fala:

  • os valores da sua empresa: se a marca é arrojada vai usar memes, se ela é tradicional vai evitar palavrões… Mais do que missão e visão, os valores refletirão a sua posição na Economia da Atenção.
  • os valores do seu público: se seu público acredita que sofás são bons, um conteúdo fazendo graça de sofás terá uma resposta baixa e o algoritmo vai cortar entrega.
  • ter valor para o público: importantíssimo! O bom conteúdo vai além do que o público quer ler, ele transforma uma opinião dele, dá mais argumentos ou contribui com mais conhecimento sobre uma causa.

Quem você é quando fala

Muito se fala da Buyer Persona, que já mencionamos, mas você conhece a Brand Persona.

Apesar de um grande case, você não precisa criar uma Luisa 2.0, igual da Magazine Luisa, que saiu da agência (no caso, acho que foi da house mesmo) e ganhou o mundo.

Mas você pode, e deve, construir uma Brand Persona para poder falar como ela durante a construção de conteúdo, tendo uma voz mais intensificada.

Quando você fala

Timing é algo difícil de ensinar. Precisa ser tão cedo pra ainda fazer sentido, mas tarde o suficiente para ver qual a melhor forma de agir sem uma repercussão ruim. O Desafio das 100 Camadas pode nos ensinar sobre como pegar carona em algo viral.

Como você fala

  • A sua experiência com esse texto é uma.
  • Se fosse áudio, seria outra
  • Caso fosse vídeo, seria uma terceira experiência.
  • Se fosse só uma imagem, uma nova experiência, com certeza.

Onde você fala

É importante saber que a comunicação em cada rede social precisa seguir a lógica da própria rede.

Não só do algoritmo, mas do objetivo da audiência ao entrar ali.

Acredite, a pessoa não posta no Twitter a mesma coisa que vai pro feed do Instagram.

Certas coisas só lemos, outras, compartilhamos no Facebook.

BÔNUS: por que você fala?
Quando descobrir essa resposta, pode clicar em publicar, pois você achou ouro 😉



É difícil descrever o quão metricamente complicado é trabalhar a dicotomia entre a entrega das suas campanhas e ter espaço na programação para aproveitar timing dos assuntos em alta no Instagram. Não necessariamente por uma questão de tempo do relógio ou refação, mas também por exigir a programação de conteúdos essenciais para a marca numa velocidade que contradiz as melhores práticas da rede.

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *